Crítica: Bruxa de Blair (3)

Preparando o terreno

Desde o lançamento do original A Bruxa de Blair (The Blair Witch Project, dirigido por Daniel Myrick e Eduardo Sánchez) em 1999, uma nova forma de fazer filmes e um novo tipo de experiência para o espectador tem sido amplamente produzidos: são os chamados found footages (algo como fitas/gravações perdidas, em português).

Não faltam tentativas de trazer maior credibilidade ao espectador, em termos da imagem-câmera – um conceito que pego de Fernão Ramos sobre imagens de documentários, relativo ao momento de circunstância da tomada e à capacidade que esse tipo de imagem tem de levar o espectador a esse momento.

Alguns recursos foram bacanas ao longo do tempo, em filme bem sucedidos como REC (Jaume Balagueró, 2007), por exemplo, ou somente estratégias criativas como a de colocar a câmera em um ventilador rotativo, para ver o que está rolando com as aparições sobrenaturais, em Atividade Paranormal 2 (Tod Williams, 2010), (que por si só não é um filme bom, mas contém estratégias interessantes). Mais recentemente, o terror israelense Jeruzalem (The PAZ Brothers, 2015) utiliza o Google Glass como ferramenta última na busca de uma credível imagem-câmera. É um pouco disso que me faz ficar ligadas nos found footages, sempre tentando identificar estratégias e inovações criativas.

Para obter resultados interessantes, pagamos preços altíssimos. São muitos filmes entediantes, nos quais “nada acontece”, com uma câmera de baixíssima qualidade, muito tremida e amadora, o que acaba espantando uma grande parte dos espectadores do gênero terror. É uma relação semelhante aos filmes de Rob Zombie: ou se ama, ou se odeia.

É de se perceber e tem sido muito comentado o atual marketing em torno de terrores recentes, por acabarem decepcionando os espectadores fiéis ao gênero. E esse já tinha sido um medo em relação ao Bruxa de Blair (Blair Witch) lançado essa semana no Brasil. Se no original a jogada do marketing havia sido interessante pela inovação do filme, aqui ela acaba gerando aquela desconfiança e ponto. (No cinema estavam vendendo broches do filme).  Não foi diferente com o Bruxa de Blair, – dirigido por Adam Wingard: o filme é bem decepcionante, até mesmo em termo de novos dispositivos criativos.

Tenho percebido uma tendência chata nos últimos dez anos em Hollywood: um número altíssimo de remakes, reboots e revivals. Alguns bem sucedidos – normalmente aqueles que apelam pelo feeling do original, como Star Wars – alguns de dar vontade de chorar, como Carrie (Kimberly Peirce, 2013) e Evil Dead (Fede Alvarez, 2013).

Ingenuamente, ou simplesmente por querer muito que fosse bom, acabei esperando demais do terceiro filme da Bruxa de Blair.

giphy

Sobre o filme (spoiler free)

A premissa nada original de “estou fazendo um documentário para minha aula de documentário” é o que leva à existência das imagens de Blair Witch. Muito bem equipada, a estudante Lisa, que está dirigindo o filme, possui uma câmera fotográfica digital no estilo das Canon T5i, algumas câmeras auriculares, GoPro e até um drone. Walkie talkies e GPS também estão nos equipamentos que são levados para a floresta.

O documentário será sobre a busca por Heather, a irmã de James, amigo da documentarista. Um vídeo que foi subido no Youtube mostra o conteúdo de uma fita encontrada na floresta onde o primeiro filme ocorreu. Lisa, James e um casal de amigos resolvem acampar no local e realizar a busca. Lá se juntam ao casal que achou a fita e fez seu upload.

Até o meio do filme: apresentação dos personagens, dos materiais de filmagem, (que geram mudanças nítidas na qualidade da imagem de uma câmera para a outra), e um pouquinho de jump scare bobinhos. Uma hora de filme se passa e tudo bem boring, nem uma aceleração nos meus batimentos, nem uma vontade de apertar a mão do meu marido.

De repente, após estarem acampados na floresta, as coisas efetivamente começam a acontecer. Um tanto de merda de voodoo, uma ferida no pé bizarra (a parte mais aflitiva para mim), e umas outras situações que eram para ser terrorentas, mas não são.

O tempo todo o filme controla os fatores que entrarão para causar reviravoltas no plot. Seja a separação de um casal do grupo ou o drone, você já sabe o que esperar para o resto do filme.

Caminhando para o final, algo que também tem sido recorrente em alguns filmes recentes, principalmente de found footage: uma aceleração no ritmo do filme, quase como se estivessem com pressa para acabar. (E eu bem que estava torcendo para acabar logo!).

O final causou um cadinho de incômodo, muito mais por um elemento de claustrofobia do que de medo. A revelação que ocorre nos últimos minutos é até bacaninha, mas nada que nos faça falar “uau, brain fuck, incrível, nossa, que filme bom”. Saí do cinema decepcionada e sem esperanças no que pode vir daqui para a frente em termos de found footage. Sugiro não gastar dinheiro com os preços abusivos dos ingressos, mas esperar chegar no Popocorn Time ou no Netflix.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s